sábado, 19 de março de 2011

JACKSON LI, NO CAMINHO DO OURO


Garimpando em São João del Rey e Tiradentes.

“Onde estão os locais?” e “Onde estão as pessoas”, essas foram às perguntas do ceramista, Jackson Li.

Monteiro Lobato escreveu “Cidades Mortas” referindo-se às Cidades estagnadas depois do tempo do café. O patrimônio histórico nas mãos de herdeiros e especuladores.

São João del Rey é uma cidade antiga para os olhares brasileiros, mas para o mestre chinês é um antigo novo, parado, que não é habitado por pessoas que constroem. Em Tiradentes encontramos de tudo: artesanato da China, Indonésia e África, que entram pela “porteira aberta” do Brasil. O comércio desses produtos não gera prosperidade para todos os envolvidos. Uma minoria vive da mão-de-obra escrava desses países. O Brasil sempre teve pobreza e hoje está vivendo da miséria de outros povos. Mas apesar disso tudo, Jackson Li, guiado por olhares atentos, conseguiu chegar aos santeiros, que são a representação da identidade cultural dessas duas cidades mineiras. Marginais e produtivos esses artista não possuem os mecanismos para serem encontrados, pois habitam em suas casas e não nas cidades que deles são.

Jackson em seu trabalho, reconstroi a tradição, criando peças originais. Mostrando como manter vivo e novo o antigo.

texto: gabriel rufo, aluno de artes aplicadas ufsJ




fotos: gabriel rufo, aluno de artes aplicadas ufsj

Palestra ministrada pelo artista chinês Jackson li, junto aos professores da Universidade federal de São João del Rey (campus CTAN).

Encontro promovido pelo curso de Artes Aplicadas da UFSJ. Participantes: Ralph Justino, Prof. Rogério Godoy, Jackson Li, Profa. Zandra Miranda, Adelaine Nogueira, Sebastião Pimenta e Profa. Luciana Beatriz Chagas








"A minha passagem por aqui é como o vôo de uma libélula, que toca a água rapidamente e já está voando de volta".
Jackson Li



"Não interessa de onde você é, sempre voltamos para o barro". Jackson Li


"Todos os objetos que existem nascem da terra e na terra morrem. A terra é mãe de tudo que existe." do livro: Teoria Básica da Medicina Tradicional Chinesa. autores: Yin Hui He e Zhang Bai Ne. tradução: Dina Kaufman





A Ceramista Solange Mano fala sobre o encontro em São João Del Rey

Sócrates nos dizia que a função essencial de todo discurso é conduzir almas...
Aconteceu conosco no encontro que tivemos com Jackson Li na UFSJ...
Jackson nos fez refletir sobre o transformar barro em cerâmica... A alegria e responsabilidade de transformar o efêmero e frágil apto a atravessar séculos. O que vamos fazer, como vamos fazer, onde vamos fazer, quando vamos fazer, com quem vamos fazer, e talvez o mais importante... por que vamos fazer?
Jingdezhen e São João Del-Rei...
Sanbao e o Curso de Artes Aplicadas com ênfase em Cerâmica na UFSJ...
Se faz porcelana em Jingdezhen desde a dinastia Han (1904) a dinastia de São João del Rei no fazer cerâmico esta apenas começando. Mas, começando muito bem!!!!
A UFSJ está abrindo caminho para que possamos chegar a perfeita integração entre a arte e o ofício do fazer com identidade própria renovando a experiência da realidade.
Penso que o ceramista é...
....um artista que desenvolve um esforço consciente de respeitar os limites de seu material – o barro – ultrapassando os limites da técnica.
....um artista que se submete aos ditames do forno, que amplia ou reduz sua capacidade de criação.
....um artista que trabalha com argila úmida, buscando a forma no tempo limitado por ela.
....um artista que, na elaboração da forma, seja qual for a técnica, verifica a transformação que ocorre durante o processo cerâmico (retração).
O ceramista busca o equilíbrio, a forma, onde está concentrada toda a energia da peça, a textura, quando esta complementa nossa linguagem; o prazer especial do contato, a cor, a ausência de cor, enfim, uma dialética entre seu inconsciente e consciente.
.....um artista que reconhece e fica muito agradecido ao esforço feito por aqueles que tornaram possível essa experiência única: O encontro com Jackson Li.

O meu muito obrigada a todos e em especial a Zandra Miranda e Luciana Chagas!!!

texto: solange bomfim mano



















2 comentários:

RITINHA disse...

Excelente trabalho. Parabéns!!!

sonia disse...

esse cara é o máximooooooo